sábado, 3 de março de 2012

Guitarra Baiana


Osmar Álvares Macêdo (22 de março de 1923 - 30 de junho de 1997, e Adolfo Antônio Dodô Nascimento (10 de novembro de 1920 - 15 de junho de 1978) faziam parte do cenário musical de Salvador desde os anos 1930. Dodô havia ajudado na formação do conjunto Três e Meio, do lendário Dorival Caymmi (30 de abril de 1914 - 16 de agosto de 2008)  e, após da saída de Caymmi para o Rio em 1938, tinha reformado a banda, chamando também Osmar. Por volta de 1942, os amigos assistiram a uma performance do violonista carioca Benedito Chaves -'Benedito Chaves e seu Violão Elétrico'- apresentando um violão acústico oco equipado com um captador como a grande atração, o que os inspirou a construir seus próprios captadores.
Pouco tempo depois, os dois começaram a se apresentar com seus novos instrumentos, chamando-se "Dupla Elétrica", tocando um repertório de chorinhos e paso-dobles espanhóis. Durante mais de um ano tiveram que enfrentar os efeitos de microfonia, impossibilitados de tocar com o volume no máximo, e obrigados a mudar de posição durante a performance. Após de Osmar notar que a microfonia diminuía quando se encheu o instrumento com uma toalha ou cobria sua frente com o braço esquerdo, acabaram dando de cara com o princípio do corpo sólido.


A próxima versão já foi mas sofisticada: Osmar visitou uma loja de música, a Primavera na Praça da Sé, de Salvador (a loja ainda existe), e pediu um violão e um cavaquinho. Logo tirou os braços bem na frente do vendedor, dizendo que isto era tudo o que precisava. De volta para a oficina, Dodô montou cada braço numa tábua de madeira, colocou as cordas, ligou o som, e assim nasceu o pau elétrico (ao lado). Em 1949, quando suas performances já iriam levá-los até a ilha de Itaparica, etc., tinham começado a alimentar o sistema de som do carro com baterias. Um tempo depois, esta tecnologia móvel iria desempenhar um importante papel na invenção do que agora é conhecido como o trio elétrico ...


Em 1950, Dodô e Osmar se apresentaram nos dias de carnaval, sobre um Ford 1929, transformando ele em palco, dando origem o fenômeno do trio elétrico no Carnaval da Bahia.
Parente próximo do bandolim elétrico, a guitarra baiana representa um híbrido entre um cavaquinho e um bandolim, utilizando o calibre de cordas e a escala do primeiro e a afinação (Sól-Ré-Lá-Mi) do segundo. Inicialmente chamado de cavaquinho elétrico ou pau elétrico, foi rebatizado como guitarra baiana no final dos anos 70. O instrumento está intimamente ligado ao Carnaval do Nordeste, onde é tocado em larga escala, especialmente no Carnaval da Bahia. 
A partir de meados dos 1960, o filho mais novo de Osmar Macedo, Armandinho (*1953), familiarizado com o instrumento desde a sua tenra infância e então com um idade em torno de 10, começava a aparecer como solista de guitarra baiana durante o carnaval. Em pouco tempo, tornou-se o mestre indiscutível da criação do seu pai, expandindo amplamente os horizontes estilísticos da pequena guitarra, introduzindo elementos do Rock e do Jazz. Em meados dos anos 1970, Armandinho, junto com a banda A Cor do Som, estabelece a guitarra baiana como um instrumento de Rock de nível nacional. Em 1977, Armandinho começa a ultilizar o termo guitarra baiana como referência ao instrumento em capas de discos, batismo que permaneceu até hoje.


O fato de que o primeiro protótipo da guitarra baiana, conhecido como pau elétrico ou cavaquinho elétrico foi concebido e construído em Salvador, Bahia, na década de 1940, dentro de um intervalo de tempo em que também surgiram vários ancestrais importantes da guitarra elétrica nos Estados Unidos, como o lendário Log Guitar de Les Paul de 1941 e as guitarras havaianas de Fender e Kauffman de 1944/45, continua alimentando 'boatos' acerca de que a guitarra elétrica moderna pode ter sido, ou foi, inventada no Brasil. Entre as manifestações mais conhecidas dessa reivindicação consta a letra da música "Viva Dodô e Osmar" de Moraes Moreira & Zé Américo, um sucesso nos trios elétricos do Carnaval da Bahia dos anos 70.
Abaixo um momento antológico da guitarra baiana. Osmar e seu filho Armandinho em um duelo de guitarra baiana sensacional!



Fontes: 
Neste link a história da guitarra baiana está muito mais detalhada, pois o site é dedicado a este instrumento: http://pt.guitarra-baiana.com/historia/1940-pau-eletrico.html

Nenhum comentário :

Postar um comentário